A importância dos levantamentos botânicos

Os levantamentos botânicos

Os levantamentos botânicos têm como objetivo conhecer a biodiversidade florística de certo local. Envolvem a marcação das árvores e a identificação da espécie com seu nome científico, vernacular e família botânica. Estes levantamentos são parte integrante do licenciamento de empreendimentos que envolvem a supressão de cobertura vegetal nativa. Os mesmos permitem identificar a ocorrência de espécies florestais protegidas de corte e ou ameaçadas de extinção, bem como caracterizar corretamente o estado de regeneração da cobertura vegetal analisada.

A investigação e recolha de dados inerentes aos levantamentos botânicos é fundamental para o significado ecológico de várias espécies merecendo um reconhecimento público e/ou uma salvaguarda específica de exemplares de porte e raridade únicos; e, por conseguinte, para proteger e preservar a biodiversidade e os ecossistemas existentes.

A importância dos levantamentos botânicos para a proteção ambiental é reconhecida em certas Câmaras Municipais que exigem este tipo de levantamentos realizados por arquitetos paisagistas em complemento dos levantamentos topográficos aquando dos projetos de arquitetura paisagista para licenciamentos e comunicações prévias.

A experiência da área do Concelho de Cascais e do Parque Nacional Sintra-Cascais

A Câmara Municipal de Cascais requer a identificação das espécies, os pap’s (perímetro do tronco à altura de peito), estado fitossanitário e destino (manutenção, abate, transplantação), em virtude do regulamento dos espaços verdes municipais e da proteção da árvore. Por seu turno, o Parque Natural de Sintra-Cascais exige a assessoria de arquiteta(o) paisagista para o Levantamento e identificação de espécies arbóreas e dos maciços de vegetação natural existentes, indicando os que se pretenda eliminar, tal como é estabelecido pelo Anexo III do regulamento do Plano de Ordenamento do PNSC.

Além disso, o Concelho de Sintra também dispõe de um Regulamento de Gestão do Arvoredo do Município de Sintra que prevê, entre outros os aspetos, a preservação de espécies e exemplares notáveis. A título de exemplo a Araucaria spp. é uma árvore protegida e não deve ser abatida sem qualquer justificação viável, mediante o diagnóstico e a avaliação de um potencial risco de rutura. Este diagnóstico deve ser realizado por técnica(o) Eng. Florestal especializada(o) em arboricultura urbana em que são aplicados uma série de métodos de avaliação extremamente precisos, nomeadamente:

  • Inspeção visual dos exemplares pela aplicação do Protocolo Internacional VTA - Visual Tree Assessment – para deteção de sinais e/ou sintomas de problemas biomecânicos, fisiológicos e fitossanitários bem como sinais de potenciais defeitos internos suscetíveis de provocar rutura;
  • Caraterização e avaliação instrumental dos defeitos classificados como críticos;
  • Recolha de amostras e eventuais análises laboratoriais para identificação de problemas fitossanitários;
  • Apreciação dos dados e delineamento de esquema de medidas de conservação de arvoredo e mitigação de potencial risco de rutura;
  • Elaboração de relatório técnico incluindo registo fotográfico, resistogramas, bem como todos os dados recolhidos durante o trabalho e campo.
  • A Paisageiro e os levantamentos botânicos

    lvt-botanico.jpg

    A Paisageiro já realizou inúmeros levantamentos botânicos no âmbito de projetos de licenciamento abrangidos pela legislação supracitada, uma vez que atua com frequência nas zonas de Sintra e Cascais. O know-how em material vegetal por parte dos arquitetos paisagistas é um requisito obrigatório para a realização dos levantamentos botânicos.

    Na Paisageiro fazêmo-lo com todo o rigor e competência com base nos conhecimentos em material vegetal, adquiridos na Ecole du Breuil, na disciplina de "Reconhecimento Vegetal" (Reconnaissance végétale em francês), tal como é possível constatar no artigo que aborda o Percurso Académico da Paisageiro.

    Assim, a Paisageiro é o parceiro com as competências certas para levar a cabo o seu levantamento botânico.

    Etiquetas:
    TOPO