O percurso da Paisageiro em jardins históricos

O percurso da Paisageiro em jardins históricos

O percurso da Paisageiro em jardins históricos corresponde ao meu percurso pessoal e, como tal, achei por bem partilhar convosco a minha história.

Quem sou?

O meu nome é Karine Amaral Moreau e, com imenso entusiasmo, sou uma arquiteta paisagista luso francesa de 37 anos que exerce a sua profissão em Sintra há quase uma década.

Porém, o meu percurso académico e profissional em arquitetura paisagista iniciou-se já há 22 anos, em contacto com jardins históricos.

O início

Tudo começou com um estágio nos serviços municipais da cidade onde cresci, Sainte Geneviève des Bois, feito no âmbito do 12º ano, com a especialidade em agronomia e ambiente.

Durante o estágio trabalhei no parque histórico e municipal de um conjunto de edifícios pertencentes a um antigo castelo medieval, do qual resta a torre principal.

No recinto do parque existe uma estufa de inspiração arquitectónica inglesa onde são produzidas as espécies usadas nos jardins do município. A minha função passou por cuidar delas, o que cimentou a minha paixão pela botânica.

O curso

De 2000 a 2002 segui um curso de técnico superior agrícola, especializado em ordenamentos paisagísticos na histórica escola dos jardineiros do município de Paris, a Escola Du Breuil.

Escola Du Breuil

Criada por Haussmann em 1867, com o objetivo de formar jardineiros que cuidassem das promenades e dos parques públicos de Jean-Charles Alphand, a escola possui importantes coleções usadas na formação no âmbito do conhecimento das plantas.

A Escola Du Breuil constitui um verdadeiro conservatório botânico graças às suas coleções vegetais, o seu aboreto, o seu pomar patrimonial e à sua estufa quente.

Além disso, ao longo deste período, tive também o privilégio de estagiar noutros espaços emblemáticos como o Jardim Botânico da Ajuda, em Lisboa.

Jardim Botânico da Ajuda
jardim histórico Ajuda

Neste espaço icónico, aliei o trabalho prático ao teórico pois, além da redação do trabalho de fim de curso sobre o controlo das infestantes nos canteiros da coleção, participei no preenchimento da base de dados informática da coleção botânica. Em termos práticos, colaborei nos trabalhos de jardinagem e de sementeira.

De realçar que o Jardim Botânico da Ajuda, mandado plantar pelo Marquês de Pombal em 1768 e projetado pelo botânico italiano Domingos Vandelli, é um dos mais antigos jardins de Portugal.

Roma

Na bela capital italiana estagiei durante os quatro meses de verão na manutenção dos jardins da Villa Medici (Academia de França em Roma), que datam do século XVII, e dos jardins da Trinita dei Monti (antiga congregação das irmãs do Sagrado Coração), datados do século XVI.

Escola Nacional Superior da Paisagem de Versalhes

Em 2002, e por concurso, ingressei na Escola Nacional Superior da Paisagem de Versalhes, sediada na Horta do Rei, pertencente aos jardins do famoso palácio de Versalhes, do século XVII.

Durante 4 anos frequentei diariamente os jardins do palácio, tendo participado no seu funcionamento. Durante todo o período dos meus estudos, animei, como guia cultural e turística, as visitas guiadas da Horta do Rei para grupos de crianças de escolas da pré-primária, primária e secundária, e de visitantes locais e/ou internacionais.

Em paralelo, assegurei as visitas guiadas do Domaine de Courson durante o festival anual das plantas.

Parque de Courson

Monumentalizado no século XVII por um discípulo de Le Nôtre, arquiteto paisagista dos jardins de Versailhes, o parque de Courson foi transformado no século XIX, tendo-se tornado num dos mais belos jardins românticos de França.

Formatura em Arquitetura Paisagista

Em 2006 obtive o diploma de arquiteta paisagista e iniciei de imediato a minha atividade profissional num atelier parisiense, Agence Hyl, vocacionado para projetos de espaços públicos.

O percurso da Paisageiro na área dos jardins históricos em Portugal

Estabeleci-me em Sintra em 2011 e tive a oportunidade de participar em três projetos para jardins históricos em Portugal.

Palacete Valle Flor

O primeiro dos projetos consistiu na realização do estudo paisagístico do Palacete Valle Flor, em Lisboa, que estava em vias de classificação pela DGPC, no âmbito do licenciamento de uma piscina.

Quinta da Regaleira, Sintra

A minha participação consistiu na realização do projeto de intervenção nos espaços de recepção e de controlo de visitantes da Quinta da Regaleira.

A Paisageiro também participou no restauro de um jardim particular muito antigo, datado do inicio do século XX, no centro da velha Lisboa.



Espero que este artigo onde partilhei a experiência e o percurso da Paisageiro em jardins históricos espelhe a paixão que tenho sobre este tipo de locais que se tornam mágicos tanto pela sua beleza como pelo passar do tempo.

Etiquetas:
TOPO